segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

O gelo!


Imagens: Giedrus Varnas

Gelou?
Gelou a estrada à noite,
Gelou o alcatrão que nos molda,
Gelou o dia de cinzento,
Gelou?
Gelou o telhado da casa,
Gelou?
Gelou a varanda, a janela tem vapores, os fumos saem de todos os cantos,
Gelou?
Gelou o rio que caminha pelas águas,
Gelou o corpo,
Gelou a sombra,
Gelou o candeeiro com luz,
Gelou a árvore que se despiu,
Gelou a flor sem pétalas,
Gelou a conversa que ficou a meio,
Gelou?
Gelou?
Mas é tempo de gelar, é tempo de frio, é tempo de agasalhar, é tempo de mimar os dias com luz das velas e,
da alma,
essa que aquece e que transborda dos olhos, essa que derrete o gelo e aquece o outro,
essa que vem de dentro e que nos faz deslizar na vida e nos dias como se fossem últimos,
essa que aquece a água que bebemos,
essa que nos faz transpirar,
essa que tem cor, essa,
essa,
essa que não gela,
que faz as pernas tremer, a face corar, e os olhos a irradiar, essa,
essa,
essa,
essa,
essa,
essa,
essa,
que a sinto e a tenho!

3 comentários:

Anónimo disse...

Estes dias gelados têm sempre a sua beleza!

Claudia Sousa Dias disse...

sem dúvida que a tens, minha querida.

caso contrário não escreverias assim...


CSd

superior disse...

Although from different places, but this perception is consistent, which is relatively rare point!
nike dunk