segunda-feira, 21 de julho de 2008

Desperta-me de noite


Imagem: Jean Sebastien Monzani

Desperta-me de noite
o teu desejo
na vaga dos teus dedos
com que vergas
o sono em que me deito

É rede a tua língua
em sua teia
é vício as palavras
com que falas

A trégua
a entrega
o disfarce

E lembras os meus ombros
docemente
na dobra do lençol que desfazes

Desperta-me de noite
com o teu corpo
tiras-me do sono
onde resvalo

E eu pouco a pouco
vou repelindo a noite
e tu dentro de mim
vai descobrindo vales.

(Maria Tereza Horta)

11 comentários:

Zé Carlos disse...

Belíssima forma de começar a semana, este poema é dos mais bonitos que já li, muito boa esta tua escolha :-)
A fotografia também foi bem conseguída, gosto do verde do fundo ;-)
Uma boa semana

Clecia disse...

Gostei do poema! Muito bem escrito! Bjos e boa semana!

Só Eu disse...

Escolha cuidada dum poema fortissimo.
Parabens pela preocupa�o na harmonia das palavras com a imagem. Perfeita.
Beijinhos

Claudia Sousa Dias disse...

A fotografia não poderia ser mais adequada para um poema de Maria Teresa Horta!


Eu estou a trabalhar para ver se consigo caber numa coisa daquelas lá para o final do Outono.

Mas duvido...


CSD

gio disse...

Gosto do poema, gosto da foto e gosto de Faróis, ali... presos à terra e colados ao mar!

Tiago R Cardoso disse...

Muito bom momento.

ContorNUS disse...

muito sugestivo...

daí que o temperatura do sangue ande fervente... vou voltar à minha ventoínha ;)

Luis Beirão disse...

Descobrir vales ou ilhas ou colinas(como diria o Mourão-Ferreira). O que é bom é quando se pode ter o prazer da descoberta. Muito bonito!

Bjs,
Luis

~pi disse...

assim... :)





~

lupussignatus disse...

a liquefacção

da pele

storytellers disse...

oi Dalaila fiz uma etiquetagem dos meus poemas por autor, e apercebi me que uma das poetas mais cotadas é precisamente a Maria Tereza Horta. Acho q isso quer dizer q a adoro.